quinta-feira, 25 de julho de 2013

AFONSO CELSO - ANJO ENFERMO




ANJO ENFERMO

AFONSO CELSO

Geme no berço, enferma, a criancinha,
Que não fala, não anda e já padece...
Penas assim cruéis, por que as merece
Quem mal entrando na existência vinha?

Ó melindroso ser, ó filha minha,
Se os céus me ouvissem a paterna prece,
E a mim o teu sofrer passar pudesse, 
gozo me fora a dor que te espezinha.

Como te aperta a angústia o frágil peito!
E Deus, que tudo vê, não t'a extermina,
Deus que é bom, Deus que é pai, Deus que é perfeito!

Sim... é pai, mas a crença no-lo ensina:
Se viu morrer Jesus, quando homem feito,
Nunca teve uma filha pequenina!...

Nenhum comentário:

Postar um comentário