quarta-feira, 6 de abril de 2016

REINALDO FERREIRA - FLOR DE LAPELA




FLOR DE LAPELA

REINALDO FERREIRA

Pequeno ser
Que deu prazer,
E ao cabo, num ocaso descorado, 
Jaz no passeio, abandonado,
Sem mágoa e sem memória.

Não é diversa a trajetória
Das flores maiores que somos nós.

Exibe-nos a Vida na lapela; a glória
Dura o que dura uma manhã de sol. Após,
Esgotada a cor, extinto o perfume,
A mão que nos colheu lança-nos fora,
Pra que nos leve a carroça do estrume
Que vem na madrugada,
Ou, se chover, nos leve a enxurrada.

Flor ou bicho, 
Ou criatura,
Tudo é lixo
Na sepultura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário